Poemas

A voz do poema

O que eu tenho a dizer não está no poema,
Ou talvez passe despercebido na escuridão das entrelinhas:

Operários na escuridão das fábricas
E a gente na escuridão dos guetos.

O que eu tenho a dizer não saiu no jornal,
                                não foi lavrado em cartório,
                                nem entrou em programa de governo,
Mas está guardado a séculos no peito como uma bomba
E flutua na boca qual um soluço.

O que eu tenho a dizer segue desorientado
Sem esperanças de encontrar repouso em teus ouvidos.
O que eu tenho a dizer
É triste como um salário,
E embora não caiba na marmita,
É leve como uma lágrima.

Adicione a sua lista de interesses


© 2010 José Terra

© 2017 - Luango
Sistemas e serviços para internet.